Quando DEUS fala…

Acredito que a experiência de vida molda a maneira de pensar. Como construir saídas? Como curar feridas? Como obter respostas? Como podemos processar a restauração? Nas angústias como respirar?

Aprender a compreender o que Deus fala é algo extraordinário, especialmente considerando o que estiver na medida fé que Deus reparte aos que O temem, como Paulo ensina (Rm. 12.3):

“Porque, pela graça que me foi dada, digo a cada um dentre vós que não pense de si mesmo além do que convém; antes, pense com moderação, segundo a medida da fé que Deus repartiu a cada um.”

Com o exame das Escrituras já entramos no conhecimento do caráter imutável e santo do Eterno. Em comunhão constante isto passa a fazer parte do nosso caráter. Enfrentando necessidades e problemas urgentes fazer o quê? Há quem procure respostas em consultas; outros procuram profetas de quintal; mas existe um nível mais profundo e seguro: quando o Eterno fala. Mas escute isto: o campo da GRAÇA é maravilhosamente multiforme, na expressão do apóstolo Pedro (1 Pe. 4.10 – ênfase nossa): “Servi uns aos outros, cada um conforme o dom que recebeu, como bons despenseiros da multiforme [ou multicolorida] graça de Deus.”

Assim, existe um aprendizado na compreensão do que está por vir. Exemplos:

Através de sonhos do jovem José (que os pais não compreendiam), Deus estava falando. No início de seu ministério Moises não conseguia imaginar a glória das intervenções de Deus condenando, finalmente, o sistema político-religioso dos egípcios; a passo e passo, no caminhar por fé do princípio ao fim, os milagres se seguiram. O menino Samuel não compreendia, inicialmente, o que o SENHOR lhe falara em seus aposentos nas áreas do Tabernáculo; mas Deus estava falando que ia derramar um juízo sobre a Casa de Eli. O juízo veio! Pelo ministério de Gabriel  a palavra de Deus foi enviada à jovem Maria e ela compreendeu e se dispôs a obedecer: o Esperado das nações e Redentor dos povos estava para Se manifestar a Israel. O tempo do fim começou (Mc. 1.15,16).

Entendo, por oportuno, que em um caso concreto e excepcionalmente, Deus faz uso de determinada expressão inserida no Sagrado Texto para anunciar determinado fato, a exemplo da postagem de Lucia Helena, nossa amada irmã que escreve:

“Estimado irmão CV,

Agradeço pelo complemento da sua palavra com a minha… Como está no livro de Lamentações 3:21: “Todavia,lembro-me também do que pode me dar esperança” .

 Minha caminhada tem sido dessa forma e muito tenho que agradecer a Deus, pois a suas misericórdias são inesgotáveis. Embora algumas das circunstâncias do nosso sofrimento possam ser diferentes da experiência dos israelitas, a dor do sofrimento é tão real para nós quanto foi para eles.

 Tive um momento de desabafo com vcs e fiz questão de deixa-lo registrado, para que sirva de testemunho para pessoas que passam pelo blog.

 Quando sai da icm o Senhor me respondeu a cerca do ocorrido, Ele me falou no texto de Joel 2:20-21: “Levarei o invasor que vem do norte pra longe de vocês, empurrando-o para uma terra seca e estéril, a vanguarda para o mar oriental e a retaguarda para o mar ocidental. E a sua podridão subirá, o seu mau cheiro se espalhará.Ele tem feito coisas grandiosas!Não tenha medo, ó terra; regozije-se e alegre-se. O Senhor tem feito coisas grandiosas!”

 A princípio não entendi muito bem, mas confiava que Ele, o SENHOR, estava agindo… Mas para minha surpresa, desde que conheci o blog, este ano, vi nitidamente a Palavra de Deus se cumprindo de uma forma devastadora , isto em relação a icm.

 Hoje acredito que tudo que tinha que ver e ouvir dessa instituição teve o seu lado bom, pois não sou mais inocente e posso dizer com sinceridade que conheço muito melhor e mais profundamente a Palavra de Deus!

 Quando alguma coisa é perdida ou roubada de nós, ficamos amargos, a não ser, que saibamos que há esperança de restauração. Deus não apenas devolve o que foi perdido, como também promete “porção dobrada” no lugar do sofrimento.

 Em Isaías 61:6,7 diz que a nossa vergonha de antes será recompensada em dobro. Deus promete que, em vez de sofrermos com a desonra e a humilhação, nos alegraremos, pois Ele ama a justiça e odeia o roubo e toda maldade

 Posso dizer com firmeza que estou muito feliz com as experiências e alegrias que tenho vivido com Deus. Não troco isto por nada. Não tem preço…

 Grata pela atenção.

 Saudações em Cristo.”

Na profecia de Joel aparece a expressão com a qual Lucia Helena ficou informada a respeito do que estava por acontecer: algo como a intervenção para conter o mal enraizado, já além do suportável. O Eterno agiria na ICM-PES, como está escrito (ênfase nossa): “a sua podridão subirá, o seu mau cheiro se espalhará”. O aviso dado e muitos ouviram. O despudor essa elite icemita monárquica-pseudocarismática não perturba? O esgoto do palácio da rainha desfigurada está escancarado aos olhos da Sociedade. O poço de iniqüidades está sendo vasculhado. Os Judas estão no caminho da FORCA diante da necessidade de intervenção do Ministério Público (Estadual e Federal). Os retirantes entenderam…

Não me alongando, cito apenas dois episódios interessantes em que, de maneira inusitada, alguém foi direcionado por uma expressão das Escrituras (que evidentemente nada tem a ver com o conteúdo e contexto do original) que falou ao coração do consulente ocasional:

  1. Na experiência de John Wesley – “Quarta feira, 24 de maio de 1.738. Penso que eram cerca das cinco horas da manhã, quando eu abri a minha Bíblia nestas palavras. “Pelas quais Ele nos tem dado grandíssimas e preciosas promessas, para que por elas fiqueis participantes da natureza divina” 2 Pedro 1:4a. Mesmo quando ia a sair, eu abri-a outra vez nestas palavras, “Tu não estás longe do Reino de Deus”. À tarde pediram-me para ir à Catedral de S. Paulo. A antífona era, “Das profundezas eu clamei por Ti, ó Senhor: Senhor, ouve a minha voz. Que os teus ouvidos considerem bem a voz da minha dor. Se Tu, Senhor, fores rigoroso a assinalar o que está feito errado, ó Senhor, quem poderá subsistir? Mas há misericórdia em Ti; portanto Tu serás temido. O Israel, confia no Senhor: Porque no Senhor há misericórdia, e em Ti há abundante Redenção. E Ele resgatará Israel de todos os seus pecados.” À tarde fui, com pouco vontade, a uma reunião na Aldersgate Street (Londres); quando cheguei alguém estava lendo o prefácio de Lutero à Epístola de Paulo aos Romanos. Cerca das vinte horas e quarenta e cinco minutos, enquanto ele descrevia a mudança que Deus opera no coração mediante a fé em Cristo, senti o meu coração estranhamente aquecido. Eu senti que agora confiava realmente em Cristo, somente em Cristo, para salvação: e me foi dada a segurança de que Cristo havia perdoado os meus pecados, sim, os meus, e que eu estava salvo da lei do pecado e da morte.”
  2. Nas palavras de Lilian Trasher: “Estávamos orando na minha cabine (no navio) um pouco antes de partir e alguém pediu-me para abrir a minha Bíblia para que o Senhor me desse um versículo. Abri a Bíblia e o primeiro versículo que meus olhos viram foi Atos 7.34, um versículo que nunca havia notado antes: ‘Vi, com efeito, o sofrimento do meu povo no Egito, ouvi o seu gemido e desci para libertá-lo. Vem agora e eu te enviarei ao Egito.’ Desta maneira inquestionável Deus colocou seu selo no meu chamado.” Tal a convicção nesta resposta que Lilian não se casou e dedicou a vida a cuidar de um orfanato com cerca de 1000 crianças de todas as idades, além de viúvas desamparadas, no país do Egito, no começo do século XX.”

Não encontramos equívocos ou erros em Deus. Evidentemente, a Bíblia Sagrada insiste em que Deus anseia falar conosco, guiar e mostrar coisas que não conhecemos. Deus quer o nosso sucesso, pois com misericórdia eterna se compadece de seu povo (cf. Is. 54.8). Está escrito (Is. 48.17. Jr. 33.3):

“Assim diz o SENHOR, o teu Redentor, o Santo de Israel: Eu sou o SENHOR, o teu Deus, que te ensina o que é útil e te guia pelo caminho em que deves andar. (…) Invoca-me, e te responderei; anunciar-te-ei coisas grandes e ocultas, que não sabes.” 

Não obstante, o que Deus reservou para os “filhos de Deus” é algo mais nobre e sublime: serem guiados pelo Espírito de Cristo Jesus. Eis a divina e maravilhosa promessa (Jo. 16.12-15 – ênfase nossa):

 “Tenho ainda muito que vos dizer, mas vós não o podeis suportar agora; quando vier, porém, o Espírito da verdade, ele vos guiará a toda a verdade; porque não falará por si mesmo, mas dirá tudo o que tiver ouvido e vos anunciará as coisas que hão de vir. Ele me glorificará, porque há de receber do que é meu e vo-lo há de anunciar. Tudo quanto o Pai tem é meu; por isso é que vos disse que há de receber do que é meu e vo-lo há de anunciar.”

Neste contexto, o Espírito de Cristo está disponível para ajudar, conduzir, consolar, ensinar, guardar, nortear, orientar e preservar na “constância de Cristo” (2 Ts. 3.5 ) aqueles que foram “feitos filhos de Deus, a saber, aos que crêem no seu nome;” (Jo. 1.12). Observem: não somente no “homem interior” temos convicção (cf. At. 19.21 onde lemos: “Paulo resolveu, em seu espírito… considerando…”); mas algo superior pode ser mostrado (At. 16.9): “À noite, sobreveio a Paulo uma visão na qual um varão macedônio estava em pé e lhe rogava, dizendo: Passa à Macedônia e ajuda-nos.”

O ensino da Escritura dispensa o artifício de bibliomancia,  clamores religiosos e sujeição à doutrinas, ordens e normas de homens. Como está escrito (Ef. 3.-16-21):

“…para que, segundo a riqueza da sua glória, vos conceda que sejais fortalecidos com poder, mediante o seu Espírito no homem interior; e, assim, habite Cristo no vosso coração, pela fé, estando vós arraigados e alicerçados em amor, a fim de poderdes compreender, com todos os santos, qual é a largura, e o comprimento, e a altura, e a profundidade e conhecer o amor de Cristo, que excede todo entendimento, para que sejais tomados de toda a plenitude de Deus. Ora, àquele que é poderoso para fazer infinitamente mais do que tudo quanto pedimos ou pensamos, conforme o seu poder que opera em nós, a ele seja a glória, na igreja e em Cristo Jesus, por todas as gerações, para todo o sempre. Amém!”

O gedeltismo (eclesiasticismo heterodoxo – baseado em mitos) desenvolveu a dependência de consultar ao Senhor (ou seja: abrir a Bíblia alheatoriamente e ler o que o dedo apontar). Ensina que a consulta é doutrina revelada que só a Obra tem.

O gedeltismo manipulador, monáruico e pseudocarismático afastou-se das Escrituras, ergueu a experiência da consulta ao nível de mistério da Obra e misturaram com outro mito: o clamor pelo sangue de Jesus. Nesta condição e envolvidos em um falso batismo com o Espírito Santo nasceram os chamados dons da Obra (confirmados com os parâmetros precedentes). Não poderia ser diferente: com a ardilosa formatação do eu-icemítico dos intoxicados pela heresia de Obra Revelada desde a eternidade, escolhem-se os emissários da monarquia quadragenária, cuja característica é o costumeiro maranatês e eterno obedecer… obedecer… obedecer aos comandos do monarca que correm pela hierarquia robotizada. Nada mais são do que instrumentos manipuláveis às ordens do palácio da rainha desfigurada, como prova o VOTO DE CABRESTO. Não posso dizer de outra forma: os filhos da heresia icemita andam no centro do erro, como filhos enganados. Necessário é despertarem do sono (cf. Ef. 5.14), porquanto pela metade é impossível agradar a Deus (cf. Hb. 11.6). Por conseguinte, com base em experiência, heresias, falsos dons e mitos eles construíram o gigantismo maranático monárquico e pseudocarismático. Os mórmons, os tejotas e outras seitas fizeram o mesmo e até mais. Sempre na base de teologismo.

Ora, não foi isto o que Cristo Jesus disse. Jesus disse que o Espírito de Deus está encarregado de anunciar, dirigir, ensinar, guiar e orientar quanto ao que Ele falou. Mas pretendendo sabedoria incomum o gedeltismo desprezou o que Deus disse, do jeito que Ele disse; e insistiu na depender deste tripé: bibliomancia, clamor e dons… desde que não contrariem o contexto místico de a Obra Maravilhosa (ainda entidade inexplicável) que, se fosse maravilhosa, por milagres, prodígios e sinais o demonstraria. Nesta obra de homens manipulados pelo monarca religioso os meias-solas continuarão do jeito que o mestre-mor ordena; mas na “igreja de Deus… corpo de Cristo” o padrão é santo e superior.

Ora, o apóstolo Paulo denunciara aqueles que haviam se desviado da fidelidade ao Evangelho de Deus (1 Tm. 1.6,7): “Desviando-se algumas pessoas destas coisas, perderam-se em loquacidade frívola, pretendendo passar por mestres da lei, não compreendendo, todavia, nem o que dizem, nem os assuntos sobre os quais fazem ousadas asseverações.”

Quando a iniqüidade transborda, cessa a GRAÇA e o JUÍZO começa! Diante dos avisos insistentes calúnias, difamações e maldições eram as respostas. (Declarei o perdão aos filhos do gedeltismo que aprenderam, com o pai deles, a arte da instigação do ódio religioso.) Então gritei: TSUNAMI! Ninguém acreditava no que lia e ouvia…

Segundo a postagem Lucia Helena declara que “…o Senhor me respondeu acerca do ocorrido, Ele me falou no texto de Joel (ênfase nossa): “…E a sua podridão subirá, o seu mau cheiro se espalhará. Ele tem feito coisas grandiosas! Não tenha medo, ó terra; regozije-se e alegre-se. O Senhor tem feito coisas grandiosas!”

Sei de algo que estremeceu o gedeltismo, expondo os esgotos do palácio da rainha desfigurada: se aqueles que governam a ICM-PES perderam a vergonha, aqueles que os obedecem perderam o respeito por si mesmos.

Tome posse disto.