DICIONÁRIO MARANÁTICO

A linguagem apareceu por meio do contato entre as pessoas presentes sociedade, considerando que não existe linguagem sem comunicação, sem a interação com o outro. A linguagem não é só o ato comunicativo. Ela envolve uma relação cultural, histórica, política, religiosa e social. Neste contexto o maranatês expressando parte do importante da comunicação entre os icemitas, ou seja, aqueles que acreditam nas crenças ensinadas na ICM-PES e obedecem aos comandos dos pastores.

Aqui estão alguns conceitos dos formatados icemitas que fazem parte do Dicionário Maranático. Mas que merecem réplica da parte dos ofendidos. Dicionário em construção.

Aperfeiçoamento dos dons – aperfeiçoamento da bagunça de língua estranha com besteirol nas profetadas e revelagens a que chamam dons ou melhor, “dãos”. Claro! Coisa inventada pelo mestre-mor para dar um jeito nos meias-solas que abrem a boca pra falar bobagem; a exceção do chefe religioso que está acima do Bem e do Mal e sempre fala porrevelação.*

Bíblia – livro que normalmente está no sovaco de muita gente; mas que serve para sim ou não em alguma consulta* individual ou em algum grupo de fechado.

Blog do Cavaleiro Veloz – coisa do demônio, inventado por um bando de atrevidos, caídos, inimigos da OBRA, moleques, pecadores e vadios que denunciam os crimes (em tese) de alguns da elite, conforme alardeia a mídia com base nas investigações de grupos de servidores públicos do Ministério Público Estadual e Ministério Público Federal.

Chatélite – aquela esquisitice de comunicação construída com contrabando e/ou descaminho usada para difundir a doutrina revelada* do pai da OBRA na unidade local.* Coisa que ninguém mais aguenta nem quer saber. Difusão de pão bolorento e uvas de veneno, ou seja, as meias-verdades do PES.*

Diácono – saco de pancadas do pastor da OBRA.* É nele que o pastor coloca a culpa se a unidade local da ICM não crescer; se os relatórios forem fraudados e o PES* entender que a unidade local cresceu, o mérito é do pastor.

Consulta – hábito e abrir e fechar a Bíblia adivinhando a possível resposta, especialmente para confirmar aquilo que o formatado quer que seja verdade, por mais absurdo que pareça.

Cumprir a revelação – obedecer às ordens do pastor que foi ungido* pelo PES para mandar na unidade local.

Dom – às vezes com o som de “dão” sempre exigido pelo meia-sola a partir do entendendo de que na OBRA tudo se faz por “dão”, por ser a OBRA superior à Mescla e por isto sobrenatural .

Doutrina revelada – aquilo que nasce na cabeça do dono da OBRA e logo algum meia-sola confirma: ossorrevelô.

Discordar da revelação – sem entendimento de OBRA.

Fazer a OBRA – trabalhar para a Igreja Cristã Maranata.

Icemita  – crente na crença ensinada na ICM onde ossorrevela* e ele obedece, não se importando com os crimes (em tese), erros e heresias dos valentes da OBRA.*

Igreja Fiel – Igreja Cristã Maranata.

Isaque – homem ainda jovem, completamente enquadrado na OBRA, obediente às revelações do PES, de olho em alguma Rebeca* e na promoção para ungido*. Não quer dizer que seja um cristão fervoroso, honesto e obediente a Deus.

Líder religioso – pastor de qualquer outra igreja evangélica.

Mais valente  – o chefe.

O Senhor revelou, melhor dizendo: ossorrevelô – maneira de enganar o icemita exigindo o cumprimento da ordem superior.

OBRA – Igreja Cristã Maranata.

Obreiro – boi de piranha. Faz a zeladoria da igreja. Peão. Puxa saco do pastor. Costuma pregar a doutrina da OBRA durante a semana na base de ossorrevelô.*

Maanaim – Cantinho do céu cercado por milhares de anjos, arcanjos, querubins e serafins. Lugar sagrado, especialmente o de Domingos Martins – ES e palco de investidas de Órgãos Públicos.

Meia-sola – formatado icemita que recebeu ordenação do mandante, pelos emissários maiores, para ser mais um representante do sistema nas unidade locais, sujeito à hierarquia maranática.

Mescla – ajuntamento de cristãos de denominações religiosas diferentes. Coisa humana que para nada presta ao contrário da OBRA que é revelação vinda da eternidade.

Obreiro desacertado – aquele que anda de bermuda.

ORKUT – ajuntamento de caídos, malditos, moleques, pederastas, rebeldes e vadios.

Ossorrevela, ossorrevelô  – estalo que dá na cabeça do formatado, meia-sola e ele acredita ser revelaçao (caso ele contar acompanhado de lingua estranha vira profecia).

Pai da OBRA  – o esperto mágico dos malabares.

Palavra revelada – aquela esquisitice pregada pelo pastor da OBRA na unidade local, seguindo o exemplo que vem de cima, ou mais precisamente das exposições via chatélite.

Pastor de OBRA – emissário das ordens do palácio da rainha desfigurada (sede do PES). Pastor da ICM. Não quer dizer que seja doutrinária e teologicamente preparado, nem vocacionado por Deus. Basta obedecer, não questionar e mergulhar de cabeça no voto de cabresto.

PES – lugar onde o monarca religioso normalmente põe os pés, exige obediência incondicional e de onde ele baixa o pau nos meias-solas e atraca as demais igrejas.

Porrevelação – a convicção errada e esquisita, gerando opinião errada e esquisita mas erguida ao status de revelaçao. Coisa impressionante e misteriosa.  Ilusionismo. Imbróglio que entretem os que estão nos seminários.

Rebeca – mulher jovem de boa imagem e mergulhada nas tarefas da OBRA. Não quer dizer que necessariamente seja uma cristã habilidosa, inteligente e com trabalho fixo; mas tem de ser declarada e reconhecida serva da OBRA.

Religião – toda igreja evangélica que não seja a ICM.

Sem entendimento de Obra – aquele que não trabalha no Maanaim

Sem mansidão – questionador das orientações: se não é ovelha, é cabrito

Sem sabedoria – aquele que lê um versículo negativo numa consulta

Solidariedade – o ato de votar em amigos da OBRA.

Sopão – Comida econômica servida em seminários. Durante o ritual de seu consumo, os membros da ICM devem conversar sobre as aulas que foram assistidas durante o dia, sobre a mescla, o movimento, a religião, a piada contada pelo pastor, as experiências de extermínios de caídos, etc.

Tá no banco! – disciplina que ossorrevela pra corrigir os formatados dentro da ideologia de oubra. Dizem ser impoortante para aperfeiçoar os dãos. O MP-ES, o MPF e outros órgãos públicos estão descobrindo o que “tava no banco” é foi parar no banco de outros…

Ungido – aquele meio-pastor desordenado. Na verdade ninguém entende isso direito e não é pra entender.

Unidade local – o grupo de icemitas debaixo do jugo maranático imposto pelo palácio da rainha desfigurada e obrigados a obedecer… obedecer… obedecer e a pagar os dízimos devidos ao PES.

Valentes da OBRA – aqueles que acreditam no gedeltismo e insistem em OBRA como forma de vida.

Varão Valente – aquele que tem medo de desobedecer ao DON (Doutrinas, Ordens Normas do PES. Trabalha muito na ICM. Puxa saco do pastor.

M.Durão.