Deus espera de você uma atitude coerente

CV e irmãos,

Lendo os últimos comentários de Apaixonei-me pela obra… E agora? e vendo o sofrimento de tantos, como eu também sofri, me dei conta, lembrando de minhas insatisfações com relação a tantas imposições, aos semínários dos “galpões”, as estratégias para destruir nossos feriados, férias, comemorações em família, para apagar nossa personalidade e nos fazer de robôs, que nunca fui apaixonada pela “obra” (leia-se icm).

Isso mesmo, hoje posso dizer sem constrangimento nenhum, nunca fui apaixonada pela icm, obra, seminário, gedelti, sempre tive pavor dele.

Por que então sofria?

Os irmãos podem me questionar…. Eu respondo: apaixonei-me desde o início por Deus, pelos ensinamentos de Jesus, pelo amor e humildade ensinados nos Evangelhos; mas como nunca tinha frequentado uma igreja até conhecer a icm, não conhecia nada de religião, Bíblia, Deus, usos e costumes… e tinha medo das notícias como as de Jim Jones e outras diversas, que me deixavam sempre desconfiadas com as pessoas, me questionando sempre: “estou no lugar certo?” Tinha medo de sair e errar.

Fui ficando…

Quando lia a Bíblia sempre fazia muitas perguntas aos mais velhos, mas não me conveciam, principalmente no quesito uso e costumes, isolamento e etc… Então, comecei a falar com Deus em pensamentos, pedindo que me orientasse, que se eu fizesse algo de errado, me fizesse ver, sentir, que de alguma forma Ele pudesse me corrigir, afinal Ele pode todas as coisas e eu dizia isso, como se diz a um amigo muito querido, mas sempre preocupada e constrangida, vigiada pela igreja.

Deus, o meu Amigo, não me pedia para deixar de lado marido, filha, família, amigos, nada, e eu seguia vivendo, servindo a icm e sofrendo com o sistema.

Continuei visitando minha família, ia a almoços e jantares, ia com minha filha à praia, passeava com ela nas ruas, usava óculos escuros sim, pintava as unhas, usava brincos, via televisão, filmes, lia livros e revistas, fiz faculdade, enfim, vivia uma vida quase normal, quase porque só usava saias – e usar só saias não é normal.

Nunca mais fui a um cinema, teatro, enfim, fui uma serva discreta como deve ser, mas sem abandonar minha própria vida e minha identidade, minha família, meus sonhos de estudar, trabalhar, ser feliz comigo mesma e com meu Deus, pois sempre fui feliz com Ele, mas a icm eu tinha que suportar, como suportamos alguma coisa chata por um benefício maior, neste caso o benefício era o convívio com o meu Deus, meu amigo, que me ensinou tanto, nunca me pediu para deixar de fazer nada das coisas mencionadas aqui, me alegrou e sustentou até o dia que me mostrou a situação da “obra”, que eu suportva por medo de perdê-Lo… sim! perde Deus!

Essa foi minha segunda libertação: sair da icm, das amarras de uma instituição religiosa totalmente equivocada com TUDO. Saí com o aval do meu Amigo e Senhor, para nunca mais me deixar prender, nem por pessoas, nem instituições, nem medos e constrangimentos.

Hoje sou muito mais feliz, pois estou livre para amar o meu Deus, pois Ele sempre me amou do jeito que eu sempre fui, sem subterfúgios, pois quando soube das sujeiras maiores da icm, fiz exatamente o que Deus esperava de mim, nem mais nem menos, somente que não fingisse não saber.

Todos sabem, os que saíram e os que estão lá, mas estes que estão lá ainda precisam tomar uma atitude que não decepcione a Deus, o Deus que todos tanto amam.

Digo aos irmãos que ainda estão lá por medo de homens, não tenham medo, Deus está com cada um que ama a verdade.

E os que ainda estão lá por medo de perder a salvação, achando que saindo vão decepcionar a Deus? Saibam que Deus espera de você uma atitude coerente com a verdade, com a bíblia, com os ensinamentos de

Jesus Cristo, que morreu para nos salvar da vida de mentiras, falsidades, hipocrisias, enganos, tritezas, tanto nesta vida como na vida depois desta.

Pensem nisto irmãos.

Graça e Paz

Angela, aquela que renasceu

Enviado em 15/11/2012 as 15:47