Icemita bom é icemita cego, obediente, mudo, surdo e instigado às constantes convocações nos Maanain’s… pagando seguro.

Já protestei sobre esse assunto e nada de respostas.

Mas o seguro continua exigido na base de “ossorrevelô” (digite esta expressão no GOOGLE e V. se surpreenderá). Enquanto isso, afortunados avarentos enchem os bolsos e distribuem comissões entre amigos…

Na legislação vigente nada encontrei que obrigue o icemita a suportar este gravame religioso. Não satisfeito, consultei corretores de seguros em cinco das grandes administradoras de seguro da Capital e também estive no BRADESCO e no ITAÚ. Nada de obrigação…

Nesse ambiente de crimes (em tese) na elite da ICM-PES exigindo a investigação do Ministério Público, negócios de seguros que dão enormes lucros para pastores mercenários me paracem mais um capítulo de estelionato  religioso.

Pela ausência das informações que retratem os termos do contrato do “seguro obrigatório da ICM-ES”, aquele que entender abusiva e ilegal a obrigação de pagar seguro para entrar no Maanaim – onde entende ter direito de receber a bênção espertamente prometida – não entra, não recebe a bênção, é discriminado, passa vergonha e pode sofrer exclusão (o Estatuto ordena: “A ICM-PES providenciará a exclusão de qualquer membro que se desviar das doutrinas, normas e orientações emanadas do Presbitério ou contrariarem a natureza da entidade”.

Se perguntar não ofender, algumas perguntas não querem calar:

1. Os cheques administrativos para cobertura dos acidentes ocorridos nas estradas foram expedidos pela ICM-PES ou por alguma seguradora?

2. Os membros da ICM-PES estarão sendo vítimas de constrangimento, dissimulação ou enganação para pagar o “seguro obrigatório da ICM-PES”?

3. Por que este seguro está sendo exigido há tanto tempo?

4. Quantas são as administradoras com que a ICM-PES opera?

5. Qual o valor de cada Apólice de Seguro dos eventos da Semana Santa em todo o País?

6. Soube que ossorrevelô, e o chefe muito religioso imediatamente determinou, o recente seguro dos templos. Quanto isso dá de retorno ao “abençoado” corretor e quem é este felizardo?

7. Você dizima, oferta e ainda é obrigado a pagar “seguro obrigatório da ICM-PES”?

8. Você pode me informar quais os números das Apólices de Seguros que cobriram os eventos de que você participou como inscrito-segurado?

NOTAS:

Calúnias e difamações serão deletadas.

Escrever com LETRAS MAIÚSCULAS é deselegante, salvo algum destaque.

Evitem CAIXA ALTA em postagens.

Evitem postagens fora do FOCO do artigo.

No caso de copias para instrução de algum pedido judicial ou publicação mencione a fonte http://cavaleiroveloz.com.br/index.php/2012/10/negocios-nebulosos-seguros/