“Pois, onde há inveja e sentimento faccioso,

aí há confusão e toda espécie de coisas ruins.” (Tg. 3.16)

 

Aconteceu na elite da ICM-PES estruturada em mitos religiosos. Com a lente da Lei na intervenção oportuna do Ministério Público (Estadual e Federal), o Poder Público procura entender a ignomínia de atos ilícitos e penalmente puníveis (em tese) de membros da elite. Implosão planejada e queda previsível. Loucuras! Monturos!

Algo estranho está se formando na mente dos icemitas (especialmente nos meia-solas de plantão), enquanto a agressividade evidencia o que acontece no coração de muitos. Chego a pensar que, na expectativa de faltar o que dizer para pessoas de seu relacionamento, a agressividade está em ALTA… e não exclui as mulheres.

Como explicar a desestruturação familiar nessa Maranata? Como explicar aos familiares e às pessoas de relacionamento, que os esgotos escancarados do palácio da rainha desfigurada exibem o que há de pior? Como explicar a ação de bajuladores de plantão inventando profecias para os gatunos sem vergonha?

Como explicar o escândalo da pirâmide de containeres com cerca de 1.000 processos no Judiciário Mineiro? Como explicar que Judas beijam Judas e concentram esforços malignos a fim de ocultarem as provas dos desvios do dinheiro eclesiástico. Há quem calcule em 400.000 US mensais nesses 5 (cinco) anos passados…

Como explicar dízimos consagrados ao Senhor direcionados para honorários advocatícios especializados (cujo esforço é arrastar ao máximo o trânsito em julgado da sentença condenatória)? Como explicar quarenta anos de negativa de regimento interno?

Como explicar a flagrante irresponsabilidade do mandatário que “nada sabia porque entregava-se aos assuntos espirituais”? E se o dominador do rebanho se esconde nessa desculpa inescrupulosa, como explicar a agressão constante com ardis da linguagem do não-pensamento, maldições, meias verdades, profetadas e revelagens em perseguição aos retirantes?

Como explicar astutas manobras palacianas em defesa da Obra: conspiração, falsa unção, fisiologismo político (inclusive com candidatos declaradamente kardecistas) e o velho voto de cabresto. Como explicar a esperteza do monarca passando pelas áreas de influência com desculpas esfarrapadas: O Presbitério não tem que dar satisfação a ninguém…. Tá tudo certo!!! Cortinas de fumaça e falta de vergonha. Frutos podres!

Como explicar que a cegueira dos formatados facilita fraudes nos negócios da ICM-PES, enquanto os ladrões dos dízimos gozam os mórbidos prazeres dos roubos? Para esses Judas os dias frívolos de gastança em ilhas de fortuna; e para o povão a miséria de cada dia de cortinas de fumaça e decepções com os construtores da Obra revelada. E como explicar que o ninho está sujo… muito sujo?

Pastor usou ‘visão’ para justificar desvio
Envolvido em compras foi preso pela federal
R$ 1,8 milhão doados por deputados à igreja
Igreja contratou sobrinho de presidente
Maranata: “uma igreja que surgiu da luta pelo poder”
Maranata pagou R$ 941 mil em materiais nunca entregues

Deste modo, diz-se que alguém está agressivo (criança, jovem, homem ou mulher) no contexto do processo psicológico. Mas quando a agressividade expressa, nitidamente, a personalidade da mulher no contexto cultural, familiar e social em que está imersa, além do desgastado maranatês percebe-se o potencial de destruição que o “outro evangelho” efetuou em sua mente, instigando o ódio religioso. Preocupação e surpresa.

Nesses contornos, o artigo não se destina, por si só, a analisar a agressividade no comportamento feminino; mas em muitas postagens notamos este comportamento doentio, quiçá esquizofrênico. Estranho as agressões – sem justa causa – nas postagens assinadas por mulheres de cuja alma e coração de esperar pronta sensibilidade. Por natureza! Entretanto, inchadas do eu-icemítico instigado pelo ódio escrevem como que fora de si mesmas, como que presas de surtos. E comigo exclamo: Está acontecendo aos nossos olhos! Estamos colhendo expressões de frutos podres.

O confronto!!! Que dor!!! Que fim triste nessa “jornada de quarenta anos”. Quem diria que os “normais” que ensinam nos Seminários da “Obra Maravilhosa” nos conduziriam a um beco sem saída?

Ora, entendemos que a falsa unção destrói e mata… Em 02/06/2012 às 19:15, no espaço destinado aos comentários e postagens referentes ao artigo A CONSPIRAÇÃO, Maria Sonia Dias Santos assim se expressa:

“Olá, sou Maranata e estarei esperando Jesus voltar nessa digníssima igreja. Inclusive, quero estar próximo ao Senhor Jesus, ouvindo você justificar: eu já fui um maranata. Só espero que você encontre alguma igreja que lhe caiba, pois desertor é sempre desertor em qualquer lugar. Sei que vai dizer que é mais uma falácia, mas não tem importância, já percebi o que está te incomodando: a consciência. Você me faz lembrar o que os anjos fizeram no céu para tomar o trono de Deus, mas tanto no céu como na terra, Jesus foi valente e nos fez vencedores.”

Prontamente, percebi a agressividade, a ardilosa insinuação de que o Blog é do Diabo e os preconceitos religiosos. Cansado de ler ofensas aos retirantes, deletar era o mais fácil e rápido. Mas considerando que “A resposta branda desvia o furor, mas a palavra dura suscita a ira” (Pv. 15.1), concedi o espaço para a postagem:

Olá, Maria Sônia, graça e paz em Cristo Jesus.

Bem vinda.
Esteja à vontade.
Viu? O som do TAMBOR chegou aos seus ouvidos.

Você não mais poderá dizer: NINGUÉM ME AVISOU.

CV.

Não posso dizer de outra forma: os filhos da heresia icemita andam no centro do erro, como filhos enganados pelo olhar caolho do construtor de heresias. Necessário é despertarem do sono (cf. Ef. 5.14), porquanto pela metade é impossível agradar a Deus (cf. Hb. 11.6). Mas assim não entendem…

Por fim, formatação icemítica é fato notório neste poço de iniqüidades: meia-solas reformados foram especialmente gerados na doutrina revelada (para serem manipulados) porque, como diz a Escritura (ênfase nossa): “não conhecem o Pai, nem a mim [Jesus]”. Por mais que ao coração doa dizer: o astuto encantador de formatados conseguiu enganar esta geração de icemitas apertada no beco sem saída e no rumo da “operação do erro”.

Por mim, pensei que a agressividade de Maria Sônia se desfaria… e me enganei. Enquanto amaldiçoava, atirava pedra instigada pelo ódio religioso, falou de deserção e declarou-se vencedora; e neste contexto ofensivo terminou lembrando a queda de Lúcifer… E a pergunta que não quis calar: desertores… quem são? E onde estão? Daqui em diante frente alguns falarão a respeito.

Prevendo facilitar a consulta das postagens que se seguiram, entendi reuní-las.

NOTA

Calúnias serão deletadas.

Escrever em CAIXA ALTA é indelicado. Evite.