A doutrina revelada espalhada pela elite icemita, credita aos falsos dons espirituais aquilo que Deus nunca disse, nem passou pela mente de Deus. Cada capítulo da heresia icemita causou danos emocionais, desestimulou escolhas pessoais e profissionais, gerou indisfarçável timidez e invadiu a intimidade de marido e mulher.

Almas feridas. Angústia. Culpa. Desconforto. Medo!

Até compreendo aqueles que acham difícil destruir mitos religiosos. De doentes e fracos se calam.  Erraram o alvo, amarguras apareceram e o medo criou profundas raízes em suas almas preciosas. Medo de ameaças, e de calúnias, e de escárnios e de maldições. Medo de pecar contra o Espírito Santo. Medo das perseguições e pressões previsíveis. Medo do ódio religioso cuja fonte está no coração daquele que está assentado no trono do palácio da rainha desfigurada onde  medo impera.

Ciclo vicioso.

Crente dependente de doutrina revelada baixada pelo dominador do rebanho é cego, mudo e surdo. Cego porque não enxerga a verdade do “evangelho da graça de Deus”; mudo porque não pergunta e nem questiona as profetadas e revelagens nos cultos proféticos; surdo porque não dá atenção ao Espírito de Cristo Jesus que fala nas Escrituras e exige separação e sinceridade.

De fato, certos homens nada querem entender da glória de Deus e da fidelidade às Escrituras Sagradas. Eles adoram a si mesmos, andam no centro dos erros, arranjam balcões de negócios, constroem tronos, desprezam os demais, distribuem comissões dos lucros com contrabando, guardam malotes de dólares nos cofres pessoais dentro do palácio, pisam nos subalternos e tudo fazem para esconder falhas e lucros da avareza indiscriminada. Eles falharam e a prova disto está nas estradas cheias de retirantes. Milhares!

Faça um favor a sua alma, continue lendo e pensando…

Há quem esteja saturado com o absurdo e esquizofrênico do maranatismo monárquico pseudocarismático introjetado pelo gedeltismo. Então, por não mais suportar aflições, agressões psicológicas, deboches, discriminações, dúvidas, maldições, perseguições, prejuízos, profetadas e revelagens, acaba correndo desta dominação herética e cheia de frutos podres!

Mas de doente não larga: autodefesa, avareza, bibliomacia, clamor pelo sangue de Jesus, dissimulação, dominação, louvor revelado, massagens do ego nos cultos proféticos, medo de exorcismos, medo do Diabo, medo de retaliações, medo dos falsos profetas com suas maldições…

Mitos religiosos envolvem crenças e erronias. Fracassos construidos com a ardilosa linguagem do não-pensamento. Mitos escondem heresias, geram meias verdades, meias-solas remendados, perdas e reminiscências. Mitos religiosos são totens. Não  adianta clamar, consultar, lamentar e não querer romper com sistemas e tabus. Não duvide: o seu totem deve ser destruído, ou o Mal corroerá a sua alma ao longo do tempo…

Não duvide: a elite eclesiástica da ICM-PES ergueu o Ídolo Obra, esconde crimes (em tese) e erros administrativos debaixo dos tapetes. E espalhou o medo! Medo de pecar contra a Obra Maravilhosa, medo de pecar contra o clamor pelo sangue de Jesus, medo de pecar contra a doutrina revelada, medo de pecar contra a Obra Maravilhosa, medo de cometer o pecado contra o Espírito Santo, medo de pecar contra o icemita-mor. Medo… medo… medo e o estardalhaço: “Não toqueis nos meus ungidos”. MEU DEUS! O mal uso desta frase é distorção proposital “pela hipocrisia dos que falam mentiras e que têm cauterizada a própria consciência,” (1 Tm. 4.2).

Nada obstante, apesar desse ambiente eclesiástico de ameaças, de cambalachos, de corporativismo, de falsos dons, de fisiologismo político e em especial: de instigação ao ódio religioso; o Espírito de Deus garante LIVRAMENTO INDIVIDUAL, pois está escrito (1 Co. 10.13 – ênfase nossa):

“Não vos sobreveio tentação que não fosse humana; mas Deus é fiel e não permitirá que sejais tentados além das vossas forças; pelo contrário, juntamente com a tentação, vos proverá livramento, de sorte que a possais suportar.”

Não é de admirar, pois, que frases e jargões introjetados na mente dos crentes icemitas impedem o ato de agir biblicamente com liberdade. Loucura! Os formatados icemitas estão impedidos de pensar os pensamentos de Deus… e acham que pensam. Pelo contrário, eles expressam o maranatês como espiritualidade religiosa e forma de vida; e, como o chefe especialmente religioso,  não mais conseguem falar e pensar, a não ser, maranatês.

Nada mais que delírios do gedeltismo monárquico! Por conseguinte, a doutrina revelada introjetada na mente dos cegos, mudos e surdos servos da Obra, age inconscientemente nas vinte e quatro horas de cada dia da semana e ao longo dos anos; e cada beato formatado  expressa a espiritualidade esquizofrênica com  costumeiro maranatês. Quem me dera se me entendessem… mas esperem pelo que vem…

Ninguém está obrigado a aceitar o que aqui comentamos como fruto de amadurecimento e liberdade de expressão e de opinião. Os artigos NUNCA pretendem atacar pessoas; mas contestar e denunciar erros, heresias e maldições forjados no palácio da rainha desfigurada. Essas coisas destroem a liberdade que os crentes em Jesus possuem Nele e por Ele e para Ele.

O costumeiro maranatês gira na mente do formatado icemita e especialmente dos emissários do monarca muito religioso que domina as unidades locais (lembre-se: indisfarçável falta regimento interno, nega-se transparência e isto  facilita as ações dos dilapidadores do cofre eclesiástico, trocando em miúdo: existe enriquecimento ilícito entre eles e haverão de presdtar contas). Infelizmente, esse eclesiasticismo esquizofrênico depende da formatação do eu-icemítico, pois a elite icemita corrompida com  desvios doutrinários, discriminação, erros e instigação do ódio religioso, não mais consegue ensinar e expressar o conteúdo do “evangelho da graça de Deus” (At. 20.24). Fariseus icemitas gerados como meias-solas vestidos bobos da corte palaciana.

O monarca espalha a enganosa e insistente propaganda: Obra Maravilhosa! mas quando alguém procura por frutos, encontra folhagens e nada mais que folhagens (“quem lê, enteda”).

Observe as conversas (inclusive ofertas de produtos Herbalife, Noni, Seguros etc), profetadas e revelagens dos icemitas nos cultos proféticos.

Observe comentários dos icemitas nas comunidades de relacionamento: bobagens, jargões  e maranatês – de tanto que absorveram a Obra construída ao gosto de chefe icemita maçônico e muito religioso. Não passam disso (quando não são ataques aos que denunciam contrabando, desvio de dinheiro de dízimos e ofertas voluntárias, enriquecimento ilícito de alguns da elite, inclusive de funcionários da administração – coisas que o chefe-mor finge não perceber. Mas escutem: muitos temem existir cumplicidade e dissimulação em  negócios de seguros nunca transparentes; pois JCF, na condição de  emissário do mentiroso-mor, foi preso no aeroporto de Vitória e está sendo processado na Justiça Federal por contrabando/descaminho).

Observem que osformatados icemitas, malucos-pela-Obra, acreditam no mestre-mor quando proclama: a Igreja Primitiva é a cabeça e o Corpo de Cristo é esta Obra, a Igreja Fiel… Quando contestado, o icemita de carteirinha finca o pé na enganação da doutrina revelada e orgulhosamente responde: Estou em nível superior ao seu porque eu falo no nível da revelação além da letra. Você está na letra e só fala da letra da Bíblia.

O doutrinamento falacioso e intolerante introjetou o medo na mente dos formatados, manipuláveis e obedientes servos da Obra.  E havendo incutido o medo como padrão de espiritualidade esquizofrênica, profana e sectarista na mente dos formatados servos da Obra, o monarca obsessivamente proclama: estes serão usados! Nesse momento o profeta de plantão proclama: osssorrevelô! Portanto, na mente do chefe muito religioso a ICM-Obra continua exaltada como a exclusiva Igreja Fiel… a única a ser arrebatada num abrir e fechar de olhos, ao toque da quarta trombeta, promete o chefe muito religioso na contramão das Escrituras Proféticas, e em detrimento do que ele designa de Mescla (as demais denominações evangélicas que ele considera mistura com religiões).

O  olhar caolho do construtor de heresias  dirige os Seminários da Obra. Pasmem! Os dircursos dos meias-solas nesses seminários mais parecem remendos de retalhos em roupas velhas.

Por conseguinte, os icemitas estão num beco sem saída:

1) se alguns deles desacatarem a dominação psedocarismática e quadragenária, padecerão perseguições e sofrimentos. O apedrejamento de  Estêvãos continua e as estradas estão cheias de retirantes.

2) se ainda permanecerem presos ao gedeltismo (eclesiasticismo filosófico maçônico, monárquico e pseudocarismático) inchado dos inexplicáveis  mistérios da Obra,  continuarão andando no centro do erro, cúmplices do Ídolo-Obra erguido pelo monarca que a si mesmo exalta nos dircuso do satélite; continuarão debaixo de ameaças,  e de falsas profecias, e de falsas revelações (especialidades dos chamados cultos proféticos) e de maldições e de zombarias.

Salve sua vida!

Se alguém já entendeu, que continuar debaixo da autoridade eclesiástica de mestres e pastores pseudocarismáticos se faz cúmplice com os erros deles; o melhor a fazer é: arrepender-se dos pecados, cortar as cordas das falsas profecias, desfazer emoções, pedir perdão aos ofendidos, restituir o devido a quem de direito, romper com o sistema e submeter-se à orientação do Espírito de Cristo Jesus que jamais contraria o que está escrito, do jeito que está escrito.

Se os que dominam o rebanho de Deus já perderam a vergonha, aqueles que os obedecem perderam o respeito por si mesmos.

Venho dizendo isso há muito, muito tempo…

Você nunca poderá dizer: NINGUÉM ME AVISOU!