A formatação do icemita de carteirinha começa no início, no Principiantes, o primeiro período dos Seminários da Obra e continua nas comissões, nos cultos proféticos e demais grupos: assistência, intercessão, louvor etc. Entenda: a formatação perfaz o projeto de salvação dos que absorverão a Obra (até completo empanzinamento). Então, o público reconhecimento de serem servos da Obra.

A formatação confunde a emoção, embaraça a inteligência e perturba a vontade (entenda: emoção, inteligência e vontade formam a alma do indivíduo) como condição ideal à introjeção da ideologia (filosofia) de Obra Revelada. Causa predisponente para a esquizofrenia religiosa. Como instituição, a ICM-PES entrou num  beco sem saída.

Destaque como emissário do monarca no clero superior é o que cada obreiro deles mais deseja. Mas convenhamos, depende de clamor pelo sangue de Jesus, consulta(leia-se: bibliomancia), enquadramento na hierarquia, indicação, interesses, obediência inquestionável, posição social, profetada, revelagens, subserviência e unção. Enfim, eis o formatado pelo eclesiasticismo monárquico quadragenário e pseudocarismático! Com gritos de MARANATA! O olhar caolho do construtor de heresias está presente em cada fase desse longo processo. Sempre!

A incubação da doutrina revelada é desejada insistentemente pelo sistema (o mestre-mor conta com este lance). Começou com o capítulo chamado absorção de Obra (algo que de coisas insignificantes fazem segredos), como condição de formatação inconsciente do eu-icemítico facilmente manipulável e obediente ao sistema. Falando e pensando biblicamente, absorvem a OBRA é expressão medíocre: o mestre-mor recorda e repete a doutrina revelada e, a cada dia, o mistério da Obra fica mais sofisticado. É assim que  a doutrina revelada, a mensagem revelada, a palavra revelada funcionam: na base de compulsão. Inexoravelmente! Não duvide!

Então, entenda as fases da introjeção de cada capítulo da heresia icemita na mente dos servos da Obra: compulsão à recordação, repetição e sofisticação no encadeamento de alegorias, bizarrices eclesiásticas, dissimulações, erros doutrinários, espiritualizações de frases isoladas do conteúdo e do contexto do Livro Sagrado. E maldições… muitas maldições. Depois de exposto com os ardis da linguagem do não-pensamento e de enfeitado com o famoso ossorrevelô, este imbróglio negrumoso é oferecido ao público. Entretenimento na certa! Lembrem-se: monarca, para entreter como monarca, joga malabares e ri da plebe. Sempre!

Está ficando muito perigoso, continuar crendo em doutrina revelada, mensagem revelada e palavra revelada.

Faça um favor a sua alma preciosa e continue lendo e pensando…

Não é de admirar, que o falso profetismo fincou pé nos chamados cultos proféticos como expressão de consciência individual já morta pelo pecado. Nunca se condenam pelos erros que comentem. Nunca! O chefe religioso discrimina os pastores subalternos (muitos são considerados meia-solas), espalha o ódio religioso e não lhe pesa o coração (e a reputação) pois proclama: a Maranata não precisa de você: Vá embora!

Nada mais do que o orgulho religioso enraizado no insano sentimento de superioridade. Os emissários (entenda: pastores representantes do presbitérios, assim definidos pelo Estatudo da ICM-PES) da monarquia fazem o mesmo nas unidades locais, pois não passam de cúmplices do sistema.

Nas brumas desta dominação eclesiástica monárquica e pseudocarismática antigas brigas  entre famílias presbiterianas (mas eles contam e publicam outra história); e, consequentemente, o começo do fim. Até hoje o chefe religioso nega o regimento interno nesta denominação eclesiástica. Com essas brechas apareceram balcões de negócios e  estelionatos. Comissões distribuídas, cumplicidade e omissão.

Nessas ilhas de fortuna os fracos foram devorados pelos fortes, inclusive, com interesses políticos. Nossos filhos estão sofrendo. Os membros pagam o preço. Os pais obedientes ao icemita-mor, o pai do Ídolo-OBRA, conseguirão equilíbrio emocional e espiritual neste sistema?

O crente comum (desculpem a expressão, eu mesmo sou um) continua discriminado.

O incremento de ações judiciais lembra o histórico rolo compressor de 2007 que abriu brechas às demandas judiciais recentes. O monarca está nu e não percebe.

O medo impera na ICM que a elite chama de Igreja Fiel. Centenas… milhares de amados crentes icemitas excomungados nesses quarenta anos de regime sectarista: sem direito à defesa, sem direito de protestarem pelas agressões e ameaças sofridas. Excomungados por revelação! Simplesmente.

Os algozes não acenderam fogueiras para queimar hereges em praça pública: calúnias, difamações, injúrias e maldições que escorrem pelas escadarias do palácio da rainha desfigurada, fazem algo pior que betume nos corpos ardendo em chamas debaixo da crueldade daquela Inquisição Satânica orquestrada pelo papismo. Que o digam os icemitas retirantes…

Porquanto, é deste modo que o gedeltismo enraizou  idéias humanas como  projeto de salvação que veio da eternidade. O icemita-mor conseguiu elaborar e efetivar o eclesiasticismo filosófico monárquico pseudocarismático. Quadragenário!

Por conseguinte, amargas e inúmeras as dificuldades enfrentadas pelos retirantes, a fim de finalmente, serem salvos da servidão.

Conclusão

A estupidez da heresia icemita maculou esta geração de icemitas com o olhar caolho do encantador de formatados. A ideologia (eclesiasticismo) de Obra, qual droga estupefaciente, introjeta obediência e pronta servidão ao sistema, no qual, os formatados mais parecem zumbis. As decepções continuam. Disfarçar e esconder insignificâncias, intitulando-as de mistérios da Obra Revelada, de nada vale.

A formatação do icemita é algo parecido com a disposição espacial de elementos nos programas televisíveis e visuais. Entenda o que acontece: flashs instantâneos prioritários e programados exigindo pronta resposta aparecem na mente obcecada (cego de entendimento) dos servos da Obra: flashs de aulas, de falas do icemita-mor, de falsas profecias, de imposição de medos, de instigação do ódio religioso, de mensagens reveladas além da letra, de páginas, profetadas e revelagens por satélites e nos Seminários da Obra.

A ICM-PES corre o risco de representação pelo Ministério Público Federal em ação civil pública com arbitramento de multa para cada caso de discriminação contra ex-icemitas perseguidos por questões religiosas. Não é difícil perceber que certas práticas adotadas pela denominação eclesiástica afrontam princípios constitucionais da dignidade humana, da igualdade, da solidariedade, da liberdade de associação e da liberdade de consciência e de crença; e essas práticas não pode ser toleradas pelo Estado Democrático de Direito.

As máscaras do mito mistério da Obra  estão caindo. As meninas da Maranata em Itapoá – SC aprenderam que o clamor pelo sangue de Jesus impede a ação do inimigo e dos homens maus. Clamor pra quê? Elas foram corrompidas, penetradas e sexualmente violentadas.  Meu Deus! Nada obstante, o desgastado ossorrevelô  disfarça a expectativa de demandas no Judiciário.

Desde que as cercas foram rompidas, as estradas estão cheias de centenas… melhor dizendo, de milhares de retirantes desiludidos com a enganação.

Doentes de desamor, de dominação esquizofrênica, de doutrinas de homens, de estelionatos, de profetadas, revelagens, sonhos de tolos e vaidades…

Então, a Constituição Federal declara (inc. IV do art. 3º): “promover o bem de todos, sem preconceito de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação.”

Esta norma deveria encerrar força nas comunidades cristãs.

Este princípio da Carta Magna não é bom, oportuno e útil? Evidentemente, para a MESCLA, porquanto o mestre-mor entende que o rebanho sujeito ao seu domínio está acima da Lei e da letra morta da Bíblia Sagrada. Que ousadia!

Entre as diversas formas de preconceitos religiosos lançados no rosto dos ex-icemitas amaldiçoar, caluniar, difamar e discriminar estão salientes.

Esperto em instigar o ódio religioso e intransigente como sempre, o chefe icemita e mestre dos mestres não permite perguntas e questionamentos. Se alguém insite, ele ameaça: VAI SER COMIDO DE BICHO!

Está ficando muito perigoso continuar dependente de cultos proféticos que nada mais parece do que escola da falsas profecias. O resultado é gente moralmente prejudicada e  sofrendo  nas mãos de obreiros que lamentavelmente perderam a noção do que é servir em amor aos irmãos.

Mostre-me uma Circular do Presidente do Presbitério condenando os crentes icemitas por criarem blogs de conteúdo caluniador, difamatório, hostil, injurioso, odioso e manifestadamente pernicioso, contra aqueles que não mais freqüentam os cultos da ICM.

Mostre-me uma só… Não existe! Porém, enquanto o chefe icemita muito religioso incentiva e instiga o ódio religioso, muitos estão descobrindo a mentira. Que o digam aqueles que padecem os sofrimentos.

Os erros nos cultos proféticos se acumulam aos montões, e  de de tal modo ficam enraizados na mente do formatado icemita, que somente depois… bem depois, quando começar a despertar da embriagues estupefaciente e quiser romper com o sistema, perceberá quão espinhoso é ser mais um retirante…

Se os que dominam o rebanho de Deus perderam a vergonha, aquele que os obedecem perderam o respeito por si mesmos.

Tristeza que me adoece intimamente, e que não tenho outro modo de dizer: desde o início a ICM está morrendo.

NOTAS

Artigo atualizado em 25.03.2012.

Detesto caluniadores instigados pelo ódio. Fiquem onde estão.

Expressões em itálico aparecem em apostilas e falas dos icemitas.

Matérias publicadas:

Pastor usou ‘visão’ para justificar desvio
Envolvido em compras foi preso pela federal
R$ 1,8 milhão doados por deputados à igreja
Igreja contratou sobrinho de presidente
Maranata: “uma igreja que surgiu da luta pelo poder”
Maranata pagou R$ 941 mil em materiais nunca entregues
Milhões arrecadados e livres de fiscalização
Maranata: líder da igreja é investigado

Suspeita de crimes federais serão investigados