Introdução

“Aconselho-te que de mim compres ouro refinado pelo fogo para te enriqueceres, vestiduras brancas para te vestires, a fim de que não seja manifesta a vergonha da tua nudez, e colírio para ungires os olhos, a fim de que vejas.”

Beatos facilmente enganados confiam em cegos que guiam cegos. Denuncio erros de graves resultados. Este artigo confronta a bibliomancia e o clamor pelo sangue de Jesus para confirmação de falso batismo com o Espírito Santo. Erro em cima de erro. Nos Seminários da ICM-PES existem flagrantes de desacato ao que Deus disse, do jeito que Ele disse. Provamos o que dizemos como o falso profetismo nos chamados cultos proféticos.

Como podem participar da Mesa do Senhor sem reprovação? Denuncio conluios humanos da mentira, demonstro que não há base bíblica para o que eles ensinam e ministram em completa discordância com o Espírito de Deus. E, se de algum deles é exigido a razão de sua crença, a autodefesa, a incoerência, e jargões logo aparecem como forma de esconderem seus erros.

Há mais de vinte anos examino este assunto. Cuidadosamente! Li e ouvi muitos dos nossos irmãos e afirmo que na construção da HERESIA ICEMITA a linguagem do não-pensamento é empregada no dia-a-dia. Depois, a bibliomancia engana os incautos que continuam insitindo no clamor pelo sangue de Jesus e o pior: falsos dons fortalecem o ensino equivocado. Não tenho outro modo de dizer: o resultado é a enxurrada de erros que se alastram como fogo em palha seca. O martírio é que o falso profetismo procrastina por criar ilusões religiosas e provoca o Juízo de Deus; mas nós, meros seres mortais, não gozamos o direito de nos dissociarmos da realidade. Quem conseguirá sair desta enganação sem sofrimento?

Portanto, compreenda a exposição que segue, decida-se ao lado de Cristo Jesus, evite a HERESIA ICEMITA que atenta contra o Testemunho de Deus e fique na expectativa de imperiosas mudanças. Quem poderá impedir o agir de Deus em Sua compaixão, graça e renovo para sua vida? Sim, quem poderá impedi-Lo de abençoar você e lhe confiar “as coisas maiores” ?

Quanto a mim e apesar dos meus limites, vivo na esperança de ajudar o leitor.

Se você procura por respostas, algumas estão aqui. Outras, mais íntimas e pessoais, com o Espírito do SENHOR, quem convence do pecado, da justiça e do juízo.

Primeiro Capítulo

Bem de manhã Marcelo caminha no calçadão, à beira mar. Mais adiante está o Carlos Evangelista, de longa data amigo e irmão na Fé em Jesus. Alguém caminha e conversa com ele. Marcelo se aproxima e Carlos diz que Benício Fernandes é importante nos seminários da ICM. Benício nem cumprimenta o recém chegado. Ele está absorto em antigo discurso extraído de Fundamentos da Obra; e falando sobre a ICM-Obra como forma de vida ele entra no assunto do batismo com o Espírito Santo, dizendo que este batismo é com o fogo do altar – símbolo do Espírito Santo.

– Batismo com o Espírito Santo no contexto do juízo das trombetas?! Chocante! É isto que você está afirmando, Benício? – Carlos pergunta.

– Evidentemente, – responde Benício. Este batismo de fogo do altar – símbolo do Espírito Santo está de acordo com as novas revelações do apocalipse. A Obra anda na palavra revelada que nos mostra o Apocalipse 8.5 além da letra. A quarta trombeta já vai tocar para arrebatar a Igreja Fiel. Entenda o melhor da Obra porque…

– Como, Benício?! Eu ouvi bem?! Você acredita nisto?

– Carlos, – Benício pisca os dois olhos, – e continua: … você quer que eu repita?

– Não! Ambigüidades e espiritualização de frases das Escrituras dá em erro grosseiro e jargões mentirosos. Não precisa repetir os jargões que acabei de ouvir. Não me admiro de que a enganação do mestre o faz insistir que as três primeiras trombetas já tocaram e a quarta trombeta vai tocar num abrir e fechar de olhos…

– Justamente! Esta é a doutrina revelada para Obra. A Mescla não tem revelação. A Religião não tem revelação… mas a Obra caminha para a eternidade…

– Mas que absurdo, irmão! – Carlos atravessou a cantilena de Benício e continuou: – exercer fé em heresias, quaisquer que sejam, destrói a sua fé em Jesus e o Diabo se aproveita para derrotá-lo. Completamente! Com este ensino errado você fica longe da intenção do Espírito de Cristo e do contexto das Escrituras. Nesta situação o risco de perder a salvação é grande. Pense nisto! Posso ajudá-lo a compreender as Escrituras a respeito…

– Não! Já tenho a doutrina revelada. Justamente! Não preciso de ajuda de quem está… digamos… caído. Quem está fora da Obra está caído e fora do Corpo. Estes é que precisam de ajuda para compreender o mistério da revelação do corpo, porque sem revelação não existe eternidade e a eternidade é mistério da Obra…

– Benício, você está batendo com a cabeça na pedra. Confunde palha com trigo e não fala coisa com coisa. Desde o Pentecostes, aquele que creu e continuou crendo em Jesus, certamente demonstrou o ardente batismo com o “fruto do Espírito”. Mediante “a fé em Cristo Jesus” obtemos o ardente batismo com o Espírito Santo. Não me leve a mal, mas pelo que parece, você ainda não entendeu…

– Justamente! Acontece que o Pentecostes continua na Obra e…

– Calma, Benício! Carlos o interrompe e continua: Deixe-me completar. Percebe-se, facilmente, que você ainda não entendeu que a antiga promessa do derramar e continuar derramando o Espírito Santo foi anunciada pelos profetas de Deus mas no contexto da “nova aliança”, pois assim profetizou Jeremias (31.31-34):

“Eis aí vêm dias, diz o SENHOR, em que firmarei nova aliança com a casa de Israel e com a casa de Judá. Não conforme a aliança que fiz com seus pais, no dia em que os tomei pela mão, para os tirar da terra do Egito; porquanto eles anularam a minha aliança, não obstante eu os haver desposado, diz o SENHOR. Porque esta é a aliança que firmarei com a casa de Israel, depois daqueles dias, diz o SENHOR: Na mente, lhes imprimirei as minhas leis, também no coração lhas inscreverei; eu serei o seu Deus, e eles serão o meu povo. Não ensinará jamais cada um ao seu próximo, nem cada um ao seu irmão, dizendo: Conhece ao SENHOR, porque todos me conhecerão, desde o menor até ao maior deles, diz o SENHOR. Pois perdoarei as suas iniqüidades e dos seus pecados jamais me lembrarei.”

– Justamente! Acontece, – o afoito Benício pisca e repisca os olhos e lá vem jargão, – que isto se cumpre exclusivamente na doutrina revelada da Obra, pois Joel profetizou a chegada Obra, dizendo que chegaria o tempo dos jovens e dos homens da Obra receberem o batismo do Espírito. João Batista concordou com Joel e Pedro falou no Pentecostes que…

– Benício, espere! A afoiteza o condena e discrimina os crentes, aos milhares de milhares que não estão debaixo do jugo de seu chefe religioso – protesta Carlos com veemência.

Ao que Benício responde: – Mas a Igreja Primitiva é a cabeça e o Corpo de Cristo é a Obra, a Igreja Fiel…

– Meu Deus! O que fizeram ao beato! Marcelo não se contém.

– Benício, deixe-me completar o argumento. E Carlos continua: – A “nova aliança” é em tudo superior à Primeira e isto ficou claro nas Escrituras como se vê na Epístola aos Hebreus. Deste modo, o derramar do Espírito dependia da manifestação do Messias, de Sua expiação e poderosíssima ressurreição, cumprindo as profecias a Seu respeito. Falando disto, o Novo Testamento inclui os dons espirituais como instrumentos indispensáveis ao crente para testemunhar a favor de Jesus; e assim, “como diz a Escritura, do seu interior fluirão rios de água viva”. Quem decidiu que o nascido de novo e membro da família de Deus precisa deste ardente fortalecimento interior foi Jesus, “o Senhor de todos”. Será que lhe resta um pouco de bom senso para compreender as Escrituras e exercer fé naquilo que Deus disse, do jeito que Ele disse? Você foi justificado mediante a fé em Cristo e nasceu de novo?

A ser continuado… (Parte II)