“Todo aquele que ultrapassa a doutrina de Cristo e nela não permanece não tem Deus; o que permanece na doutrina, esse tem tanto o Pai como o Filho.”
(2 Jo. 1.9)  

A ilusão funciona. E como!

A linguagem é uma das formas do pensamento. Ela comunica a alma, aquilo de dentro. Erudita, familiar, infantil, jurídica, política, religiosa etc., ela comunica desejos, emoções, expressões, idéias de grupos ou de pessoas.

A linguagem possui o seu palavreado próprio, ou seja, o seu vocabulário. E, se a linguagem é expressão do pensamento, quando os líderes religiosos fogem das Escrituras Sagradas, não mais conseguem coerência com a Revelação Proposicional. Andam em círculos, elaboram falácias, incoerências e filosofias vãs.

A linguagem do não-pensamento (LNP) maliciosamente e por sua natureza nunca é explícita.

A LNP é empregada desde o início da monarquia quadragenária e despejada pela goela da membresia. Esperteza! Jogo extremamente sedutor do habilíssimo mestre-primaz com a inteligência de que é dotado. Mágicas!

A cada exibição do mestre muito religioso ele joga os malabares para o ar (capítulos da doutrina revelada, meias verdades etc.), e a mente dos beatos fica impregnada com jargões gedeltianos do tipo: Na Obra ficam os servos da Obra. Obra é filho único. Obra é Obra. Quem não é servo da Obra é lançado fora, é meia sola mesmo. Não tem jeito!

Cada capítulo da grandiloquente  HERESIA ICEMITA deve ser examoinado à luz das Escrituras Sagradas e sob iluminação do Espírito de Cristo Jesus. Esta heresia deve ser levada MAIS A SÉRIO…

Entendam, amados: enquanto o malabarista joga os malabares, ninguém faz outra coisa, a não ser, fixar o olhar nos malabares. Deste modo, em cada aula, mensagem revelada (eles gostam disto por se acharem super espirituais) ou sermão o mestre-mor repete: OBRA… OBRA… OBRA… OBRA… OBRA… OBRA, assim como o encantador no jogo de malabares.

Enquanto ele repete e repete esta misteriosa palavra, ninguém pensa, nem faz outra coisa, a não ser, fixar-se na enigmática palavra OBRA. Encantamento! Ilusão! Mestres e pastores denominados servos da Obra não fazem outra coisa a não ser imitar o mestre-mor e enganar…

Mágicos e malabaristas sabem que a ilusão funciona… e palmas do auditório! A iludida platéia paga para ser enganada e exclama: que maravilha!

Mágicos e malabaristas, de espertos, não necessitam de muita propaganda, porque até de boca em boca a notícia correrá com gritos histéricos e palmas. Muitas palmas… E muitos risos…

No caso dos icemitas (normalmente proibidos de bater palmas para os mágicos e malabaristas da monarquia pseudocarismática), em cada aula (leia-se: cada ardil de intojeçao dos chamados mistérios da Obra) os aplausos são em forma de gloria-a-deus-e-aleluias, acrescidos de jargões do tipo: Obra Maravilhosa! Outro: Sou Maranata e quem não é seja anátema! E outro: Nasci na Maranata e vou morrer na Maranata! Deste modo nasce o maranatês. Enquanto o icemita de carteirinha emprega essa linguagem, ele mostra o quanto de introjeção foi efetivada na mente dele.

Nesse ponto, faça um favor a sua alma precisoa e entenda o que o mestre quer dizer com ABSORVAM A OBRA!

O DON (Doutrinas, Orientações e Normas do Presbitério cf. arts. 5º e 25 do Estatuto da ICM-PES) é imposto da seguinte maneira: o mestre-primaz e a elite de valetes (escrevi valetes) nada conversam, ou ensinam, ou falam, ou inventam a não ser no estratégico nível de LNP, levando-se em conta que cada reunião é antecipada com o clamor esquizofrênico. O mesmo acontece nas demais atividades em grupo. (Preste atenção: a LNP funciona em todos os setores da ICAR, p. ex. na OPUS DEI. O processo mesmo.)

O chefe muito religioso da ICM-PES imediatamente percebeu: na mente da membresia, especialmente nos Seminários da Obra, o que funciona é a linguagem do não-pensamento. E deste modo, entorpecidos com as doses de enganação que alicerçam a doutrina revelada além da letra, os beatos continuam com a propaganda: ESTA É A OBRA! OBRA MARAVILHOSA! QUE OBRA!

O ciclo é vicioso. O icemita de carteirinha não consegue, facilmente, abrir os olhos; e, se alguns começam a despertar do entorpecimento espiritual programado para formatar icemitase meia-solas, a dose de LNP age eficazmente e inconscientemente, a ponto de provocar o sentimento de culpa no inconsciente de cada icemita: ele imagina que, se duvidar de algo decretado pelo monarca através dos emissários muito religiosos, estará pecando contra o Espírito Santo ou contra a Obra Maravilhosa. Que coisa terrível!

Ora, o inconsciente do indivíduo reage, sempre, com carga destruidora; e, quanto mais agrilhoado à desterminada espiritualidade esquizofrênica, pior será. Perceba a reação do icemita-maluco-pela-Obra ao ler este artigo: ele responde com ameaças e maldições e os piores xingamentos (como resultado da esquizofrenia religiosa introjetada na mente dele, enquanto engole cada capítulo da doutrina revelada… e não pensa.

Ora, ao ler as DENÚNCIAS deste SITE, o maluco-pela-Obra nada contesta; mas calunia, difama, injuria e arremessa lanças de maldições contra o autor dos artigos. Constantemente! Depois, clama pelo sangue de Jesus e jejua para que eu seja lançado no fogo do inferno aquecido mil vezes; ou que minha carne seja entregue a Satanás para ser destruida. Maldição em cima de maldição. Sempre!

Por que? Mais fácil é atacar o autor do artigo (argumentum ad hominem) colocando em dúvida a confiabilidade e o caráter do escritor, do que contestar o artigo. O argumento contra a pessoa é a maneira que o icemita encontra para jogar pedras e ofender; mesmo porque ele está instigado pelo ódio religioso que desce do palácio da rainha desfigurada.

Porém, a LNP empregada habilmente nas aulas de doutrina revelada além da letra ainda não basta. Depois de cada dose de LNP dos Seminários da Obra (e também nos cultos proféticos) vem a DOSE DE REFORÇO: profetadas, revelagens e visagens comuns no final da exposição do monarca quadragenário ou de algum mestre na posição de valente da Obra Revelada.

Presta atenção: a DOSE DE REFORÇO funciona como CATÁLISE:

aumenta a atividade da LNP no inconsciente dos indivíduos e impedindo a alteração do processo de obediência ao DON e mantendo-os subordinados ao Ídolo-Obra. Livre-se da opressão. Pense. Reflita…

Conclusão

 A BÍBLIA FOI TRAIDA!

A ICM-PES está completamente desviada do “evangelho da graça de Deus” e mergulhada em alegorias, dissimulações, espiritualização de frases isoladas das Escrituras, falsas profecias, falsas revelações (algumas embrulhadas em Cabala e Gematria).

Agora começamos a compreender o sofrimento dos retirantes.

Este imbróglio maligno alicerça alguns capítulos da doutrina revelada ensinada com ardis da linguagem do não-pensamento que escora o falso profetismo.

Entenda: aquele que não pensa, é, nada mais nada menos, que um vazio. Voc^^e consegue entender um vazio?

O icemita anda ao redor dos erros mantidos pelo Ídolo-Obra, com medo de pecar contra o Espírito Santo… se pensar.

O resultado desse entorpecimento espiritual não é de se admirar. Então, faça um favor a sua alma preciosa, leia e pense: o maranatismo monárquico pseudocarismático e quadragenário distingue-se mais pelo culto e devoção à ICM-OBRA do que pelo amor-obediência a Cristo Jesus.

Pense. Por que não correr o risco de pensar?

Que de sofrimento na alma crente daquele que descobre estar enganado…

Quem está intoxicado pela HERESIA ICEMITA, não consegue pronta saída, a menos que busque a Face do SENHOR, fique fortalecido em espírito e rompa com os laços da enganação gedeltiana.

Quem me dera se todos entendessem o que venho falando…